contos-inacabados

RESENHA: Contos Inacabados, de J. R. R. Tolkien

contos 2

Já não é novidade para ninguém que eu e o Sobre Sagas nutrimos um amor por Tolkien. É obvio que um dos motivos é o fato dele ter inspirado diretamente e indiretamente tantas outras sagas do mundo atual, como Harry Potter e As Crônicas de Gelo e Fogo. Mas outro ponto é que Tolkien sempre nos surpreende: a cada livro que lemos, compreendemos a magnitude de sua criatividade e o motivo de ter influenciado centenas de jovens à ler pelo mundo. E nossa resenha hoje é do livro Contos Inacabados.

De início, já digo que Contos Inacabados é um livro para quem já entende no mínimo o básico sobre as histórias de Tolkien. “Então quer dizer que se eu não souber o que é Terra Média, não posso ler o livro?” Sim. E se ler, vai entender bem pouco. Pois bem, porque? A questão é que Tolkien criou um universo realmente muito complexo e completo. Em suas histórias, você tem narrativas citadas que realmente aconteceram, formando uma cronologia enorme de quatro eras. Durante toda a sua vida, ele escrevia centenas de textos sobre povos que habitaram aquele lugar e de grandes acontecimentos, e é isso que temos em Contos Inacabados. Infelizmente, Tolkien veio à falecer e os contos tiveram que ser publicados por seu filho, Christopher, mas obviamente eles não se tornaram menos interessantes.

Agora sendo mais específicos ao enredo dos Contos, o livro é dividido em quatro arcos: cada um para cada Era da Terra Média. Mesmo sendo contos “independentes” um do outro, eles seguem uma sequência lógica, e já de início podemos nos deparar com a valente história de Tuor, avô de Elrond, que encontra o Valar da água (os Valar são criaturas introduzidas em O Silmarillion, e fizeram parte da criação da Terra Média). Na segunda, temos descrições mais claras da ilha de Numenor, que não é muito citada nas outras obras de Tolkien mas não menos importante. E nos outros arcos temos várias outras histórias, como as dos Istari, os famosos magos que habitam a Terra Média, como Gandalf.

contos 3

Mas de longe meu conto preferido, foi a história de Galadriel e Celeborn. Tanto nos livros quanto nos filmes, podemos notar e ver o poder que ambos têm. E em Contos Inacabados, temos páginas e páginas de como os dois chegaram à Terra Média e conquistaram seus poderes. É claro que Celeborn acaba ficando um pouco “na sombra” pela influência e nostalgia ao ler a história da Senhora dos Galadhrim e do Reino de Lórien, mas é realmente fascinante ver como os dois chegaram até a posição que estão nas obras de O Senhor dos Anéis.

Algo que gera dúvida muitas vezes nas pessoas que pensam em ler o livro, é se os contos, por serem inacabados se tornam maçantes, mas não. O fato de serem inacabados se dá simplesmente por eles não ter uma ligação direta com uma história maior ou uma sequência, mas todos os contos, que formam uma espécie de enciclopédia, são realmente muito interessantes para quem lê Tolkien, sendo uma leitura que é complementar e essencial ao mesmo tempo.

Outro fato que também devemos destacar deste livro é que ao contrário das outras obras publicadas após a morte de Tolkien, este livro precisou de constantes notas do editor, Christopher Tolkien, que descreve claramente de onde cada história foi retirada e acaba estabelecendo uma maior lógica entre elas, justamente por se tratar de histórias inacabadas. Christopher, infelizmente, não tem nem a metade da capacidade e envolver o leitor à história de seu pai, o que pode acabar deixando suas longas notas um pouco cansativas, mas nada comparado ao ritmo que o leitor pega quando passa a realmente se sentir atraído pelos contos.

contos 1

Novamente, os fãs de Tolkien no Brasil devem a magnitude dessa obra à WMF Martins Fontes, editora que se preocupa em publicar livros de qualidade. Em relação à arte, mantiveram o padrão perfeito de capas dos livros de Tolkien; na capa deste, temos Tuor e Ulmo nas águas, e em letras douradas temos o nome do autor. E novamente, fica o muito obrigado dos fãs à editora, e esperamos que Tolkien continue sendo honrado por ser publicado por eles.

E aí está o que achamos de mais um livro que você certamente deve ler. Se não leu os outros de Tolkien para que possa ler este, ótimo! Você acaba de ganhar mais um motivo para que possa ler os outros e finalmente chegar à essa brilhante enciclopédia de contos, que é realmente emocionante.

Resenha escrita por Marcello Oliveira

Participante do Sobre Sagas desde 2013, entrou na equipe como Colunista do site. Potterhead desde 2006, viu em Potter a oportunidade de se apaixonar por literatura fantástica (O Senhor dos Anéis, As Crônicas de Gelo e Fogo, Percy Jackson), e atualmente também tem se apaixonado por distopias (The Hunger Games) e dramas mais densos.
  • BG2

    Resenha legal, cara valeuu!