Segundo, Eu Me Chamo Antônio, de Pedro Gabriel é a continuação do ilustre e maravilhoso livro “Eu Me Chamo Antônio” Um livro que causou um estopim nas livrarias brasileiras e nos corações de leitores de ambas as idades. O trabalho de Pedro Gabriel, é simplesmente esplêndido. Eu, como uma leitora e escritora assídua e louca por poesia, não parava de me deliciar em cada página deste livro.

O livro, assim como o primeiro, tem poemas, poesias sobre a vida e os acontecimentos do Antônio, o personagem principal e tão querido por todos que o leram. As palavras, os encaixes e junções genais que o autor faz são de tirar o fôlego e tudo que você questionava sobre a vida, sobre o amor, sobre estar confuso, sobre estar amando alguém, tudo é colocado ali, e quando você o lê, e vê as gravuras, os desenhos, tudo começa a fazer sentido.

A arte desse livro é maravilhosa. É simples. É nua e crua. Simplória, minimalista no lado mais belo que poderia ser. O diferencial é que não há só desenhos escritos, mas também há textos digitados com gravuras e desenhos belíssimos do lado. E esses textos são incrivelmente belos. A minha parte favorita é essa:

“Mas li o poema que você escreveu para mim quando nem sonhávamos em sonhar em estar juntos um dia – se é que já estivemos juntos um dia. E aqueles versos bobos talvez sejam a coisa mais linda que li até hoje.”

É aquele livro pequeno e simples que você encara nas vitrines da livraria, mas quando o abre para ler, é como se muita coisa que você sente estivesse ali dentro. Todas as frustrações, todo aquele âmago no peito por estar amando uma pessoa, por estar escrevendo sobre ela, ou sobre o mundo, sobre as coisas cotidianas de nossas vidas. Os pensamentos perturbadores, as inseguranças. Sobre os amores passageiros e até os marcantes também.

A história do Antônio, ainda vai ser construída e contada em livro, ele é um personagem de um romance que ainda vai se escrito por Pedro Gabriel, então esses dois livros maravilhosos, foram como prévias do que ainda pode acontecer nessa história magnífica.

É como se o Antônio fosse nós mesmos. Alguém que nos identificamos pela sua bagagem de sentimentos, de mágoas e principalmente de mostrar que isso é humano, que isso é normal e não devemos ter vergonha que expressar os nossos sentimentos e inspirações. Tudo isso resumido em rimas esplêndidas e desenhos lindos.

O livro se transformou em best-seller com mais de 150 mil exemplares. Algo que vinha de uma página de Facebook, seus rascunhos e poesias e rimas no guardanapo, se tornou uma arte incrível.

Pedro Gabriel é um autor incrível e dividiu conosco um arte surpreendente e que realmente mudou vidas e abriu uma nova perspectiva de como vê-la.